Psicóloga Clínica – Membro Analista Junguiana – IPAC . AJB . IAAP – CRP 06/92687


Estudando Mulheres que correm com os lobos na perspectiva psicológica

Há algum tempo eu tenho notado que muitas mulheres se encantaram com o livro da Clarissa Pinkola Estés, “Mulheres que correm com os lobos”. No entanto, muitas mulheres relatam uma certa dificuldade em prosseguir na leitura e eu acredito que um dos motivos que gera esse impedimento é a compreensão da camada teórica que envolve o livro. Pensando nisso, resolvi criar um projeto para facilitar a compreensão do que se trata a dinâmica por trás dos contos retratados no livro. Minha maior pretensão é tornar esse percurso o mais acessível possível, ao mesmo tempo em que vamos aprofundar no conteúdo e desconstruir essa névoa mística que tem rodeado essa obra literária.

Convido vocês a entrarem nessa instigante jornada comigo! Vamos lá? Clique aqui…


Quando o perdão vira uma relação de poder.

A ideia de perdão pode se tornar uma relação de poder. É comum escutar que você precisaria ou deveria perdoar aquele alguém que lhe fez mal. Se olharmos pela perspectiva religiosa você deixaria de se envenenar com um sentimento de mágoa e perdoaria o mal que o outro lhe causou. Me acompanhem no raciocínio. Quando… Continuar lendo Quando o perdão vira uma relação de poder.

O parto não cabe no desejo egóico: quando o parto virou produto.

Nós mulheres precisamos de liberdade.A liberdade que necessitamos é aquela que nos oferecemos: a liberdade que damos ao nosso corpo. O parto não cabe no desejo egóico. O parto conta da história mãe e bebê, é a história de uma vida que não nos pertence, mas que damos a chance de existir. O parto fala… Continuar lendo O parto não cabe no desejo egóico: quando o parto virou produto.